Principal        Turismo        Lazer        Gastronomia        Notícias        Serviços        Educação      


Notícias



XIX Festival Amazonas de Ópera apresenta a obra Médée
Por Aretha Lins, Secretaria de Estado de Cultura
segunda-feira, 2 de maio de 2016
 
 
 

XIX Festival Amazonas de Ópera apresenta a obra Médée
XIX Festival Amazonas de Ópera. / Neandro Luís/SECOM

Encenada pela primeira vez em Manaus, ópera conta história de traição, ódio e vingança nos dias 04, 06 e 08 de maio, no Teatro Amazonas.

 

Vingança, traição, ódio e dor, dignas de uma verdadeira tragédia grega, subirão ao palco do Teatro Amazonas no mês de maio. Como parte das programações do XIX Festival Amazonas de Ópera, a primeira obra a ser apresentada será Médée, de autoria do italiano Luigi Cherubini e livreto do francês François Benoît-Hoffmann.

 

A ópera conta a história de Medéia, esposa de Jasão, comandante dos Argonautas, anos depois da famosa expedição do Velocino de Ouro, relatada em A Argonautica, de Apolônio de Rodes. Na história escrita por Eurípedes e musicada por Cherubini, Medéia fica furiosa após a decisão de Jasão deixá-la para se casar com Glauce, filha do rei Creonte de Corinto. Para causar dor a Jasão, Medéia decide matar Glauce, Creonte, e ainda os seus dois filhos com Jasão.

 

Apresentada pela primeira vez há mais de 200 anos, em 13 de março de 1797, no Teatro Feydeau, em Paris, a versão original e integral em francês será executada no Teatro Amazonas nos dias 04, 06 e 08 de maio, executado pelo Balé Experimental do Corpo de Dança do Amazonas, Coral do Amazonas e Amazonas Filarmônica, contando ainda com os solos de Isabelle Sabrié, Enrique Bravo, Gianluca Lentini, Dhijana Nobre, Luisa Francesconi, Carol Martins, Thalita Azevedo, Rafael Lima, e as crianças Valentina Andrade e Kayo Duarte, sob a regência de Marcelo de Jesus.

 

A montagem ainda conta com a direção cênica de André Heller-Lopes, construção de cenários por Marcos Apolo Muniz, direção de figurinos de Fábio Namatame e direção de iluminação de Fábio Retti, com coreografia de Monique Andrade.

 

Para o governador do Amazonas, José Melo, a apresentação de Médée é fruto de uma semente plantada ainda no primeiro Festival de Ópera, em 1997. “Quando realizamos o primeiro festival, ainda como Festival de Manaus, o Amazonas decidiu investir na educação e na cultura, com a formação de músicos para realizarem obras grandiosas, dignas do nosso Estado. Com Médée não é diferente, e temos certeza que será mais uma obra executada com o maior esplendor pelos músicos da nossa terra”, ressalta.

 


Na visão do secretário de Estado de Cultura, Robério Braga, encenar peças que retratem a vingança e a tragédia é importante, porque elas também compõem a boa música. “Desde a sua estreia, Médée tem tido uma boa recepção pelo público, sendo dotada de um nível técnico extremamente alto. Essa ópera nos ensina que a arte, além de ser formada pelos bons sentimentos, também é formada pelos maus”, afirma.

 

O diretor artístico do XIX Festival Amazonas de Ópera, maestro Luiz Fernando Malheiro, salienta que a apresentação de Médée no festival foi escolhida justamente pelo seu nível técnico. “Pouquíssimas sopranos conseguiram interpretar o papel principal, como Maria Callas. Quando escolhemos essa ópera para ser a primeira do Festival, abraçamos o desafio e tenho certeza que vamos conseguir executá-la com perfeição”, declara.

 

Preparação instrumental


Na execução de cada peça apresentada, a proposta do Festival é mostrar a obra sempre na versão original. Com esta obra, não será diferente. A apresentação de Médée misturará a versão francesa, original e sem cortes; e a versão italiana, com os recitativos traduzidos para o francês e cantados.

“Nós pedimos à Isabelle Sabrié, que fará o papel de Médée, que fizesse a tradução dos recitativos do italiano para o francês. Será a primeira vez no Brasil que as duas versões estarão unidas, e teremos o prazer de fazer isso. Vai ser a versão Manaus”, declara o maestro Marcelo de Jesus, que executará a regência da obra.

Todos os dias, a Amazonas Filarmônica chega ao Teatro Amazonas para os ensaios da ópera. No local, ao sinal da batuta do maestro, os instrumentos produzem magníficos e expressivos sons que transitam entre dois períodos específicos da história da música: o Classicismo e o Romantismo.

“A dificuldade de Médée é pelo seu caráter. Não é uma obra romântica, mas também não é uma obra clássica. Existem vezes em que ela mesma toma outro caminho que não tem nada a ver com o Classicismo ou o Romantismo. Essa transição é muito difícil de se fazer. Pode se tornar algo chato, e é preciso tomar cuidado com a forma de execução. Só se encontra o caráter dessa obra a partir do seu libreto”, afirma Marcelo de Jesus.

Outra intenção de Médée no XIX Festival Amazonas de Ópera, segundo Marcelo de Jesus, é trazer a ópera de modo que a população possa entender e fazer uma reflexão própria. “Não será apenas deixar uma estátua grega imóvel, cantando, sem que o público entenda a construção da obra. A intenção é trazer uma reflexão sobre a sua própria moral, ética e valores”, ressalta.

Preparação vocal


A preparação vocal do Coral do Amazonas foi dividida entre os maestros Zacarias Fernandes e Hermes Coelho, respectivamente, regente titular e regente assistente do Coral. “Naturalmente, há uma dificuldade com o texto, uma vez que o texto em francês não é muito comum. Estamos mais habituados a um repertório italiano, e mesmo de compositores de outras nacionalidades, mas com o texto em italiano, a língua oficial da ópera”, conta Zacarias.

 

“O resultado tem sido muito surpreendente! A sonoridade é peculiar, uma vez que é o modo francês de fazer música. Apesar de Luigi Cherubini ser italiano, ele se mudou para Paris, fez carreira lá e conseguiu se infiltrar e imergir na cultura francesa”, afirma o maestro.

 

Para Fernandes, toda e qualquer ópera que se prepara tem a dificuldade da maturação da peça. “No primeiro contato que se tem com a ópera, você entende a ideia e tenta vivenciá-la, como um ator que tem o contato com a sua personagem. Aparentemente, ficamos pensando se vamos conseguir. Sabemos que vamos, mas num primeiro momento, fica a dúvida do desafio, até que a obra faça parte da gente”, ressalta.

 

Na visão do maestro Zacarias, apresentar Médée é novidade para todos. “Mesmo com todas as óperas que nós temos de repertório, todas muito conhecidas do público, tudo é novidade. É de nosso interesse mostrar para o público amazonense e também de todo o Brasil obras consagradas internacionalmente e pouco conhecidas no país”, finaliza o regente do coro.

 

Programação do Festival

Médée, de Luigi Cherubini, será apresentada no dia 04 de maio, a partir das 20h, com reapresentações nos dias 06, a partir das 20h, e no dia 08, a partir das 19h. Também no dia 08, em homenagem ao Dia das Mães, a Orquestra de Violões do Amazonas executa o espetáculo Ópera Bem Temperada, sob a regência do maestro Davi Nunes.

No dia 05 de fevereiro, a orquestra Original Strauss Capelle Wien, da Áustria, em turnê pelos estados do Norte e do Nordeste do Brasil, apresenta o espetáculo Sinfonia Solidária, onde toda a renda arrecadada por meio da venda dos ingressos será destinada ao Grupo de Apoio a Crianças com Câncer, de Manaus.

No Festival, acontecem os Concertos Bradesco, onde serão apresentadas obras como Messa da Requiem, de Giuseppe Verdi; Guia Orquestral para Jovens, de Benjamin Britten; e Pedro e o Lobo, de Sergei Prokofiev. O Festival também comemorará os 400 anos da morte dos escritores William Shakespeare, autor do clássico Romeu e Julieta, e Miguel de Cervantes, autor de Dom Quixote, com os concertos Cervantes e Shakespeare in Love.

Durante o Festival, serão apresentadas obras em parceria com a Universidade do Estado do Amazonas, como Don Giovanni, de Wolfgang Amadeus Mozart; e concertos especiais com voz e piano. Também durante o evento, o Corpo de Dança do Amazonas apresenta o espetáculo CASARdá? no estilo Work in Progress, com direção artística de Getúlio Lima e coreografia de Alex Soares.


O Festival também apresenta a ópera Adriana Lecouvreur, de Francesco Cilèa, em parceria com o Theatro de São Pedro, em São Paulo, executada pelo Coral do Amazonas e Amazonas Filarmônica, sob a regência de Luiz Fernando Malheiro e solos de Daniella Carvalho, Denise de Freitas, Gustavo Lassen, Johnny França, Juremir Vieira, Daniel Umbelino, Carol Martins, Thalita Azevedo, Fabiano Cardoso, Rafael Lima e Joubert Coelho. As apresentações de Adriana Lecouvreur acontecem nos dias 27 de maio (20h), 29 de maio (19h) e 31 de maio (20h), no Teatro Amazonas.

O XIX Festival Amazonas de Ópera acontece entre os dias 01 e 31 de maio, com apresentações no Teatro Amazonas, Teatro da Instalação e no Centro Cultural Palácio da Justiça. O Festival também conta com uma programação acadêmica de palestras e cursos com profissionais renomados da ópera brasileira, como André Heller-Lopes, Daniella Carvalho e Fábio Namatame.

 

Publicidade




TecVidros
   
TURISMO
Agências de Turismo
Artesanato
Bibliotecas
Casas de Câmbio
Consulados
Ficha
Fotos
História
Hospedagem
Igrejas
Informações
Pontos Turísticos
Mapas
Municípios
Museus
Pescaria
Shoppings
Teatros
Zona Franca de Manaus

LAZER
Bares
Casas Noturnas
Cinema
Eventos

GASTRONOMIA
Cafeterias
Café Regional
Churrascarias
Guloseimas
Lanchonetes
Pizzarias
Restaurantes
Sorveterias
SERVIÇOS
Cyber Café
Caixas Eletrônicos 24h
Delegacias
Farmácias 24h
Hospitais
Hotspots (wi-fi)
Notícias
Telefones Úteis
Táxi

EDUCAÇÃO
Infantil
Escolas Públicas
Escolas Particulares
Curso Superior
Curso Técnico
Siga nas redes sociais:
Twitter   Facebook   Instagram


Whatsapp Manausonline:
whatsapp (92) 98252-0123    


No seu bolso:
Download na Apple Store

Download na Google Play

ManausOnline.com
Copyright © 1996-2019