Principal        Turismo        Lazer        Gastronomia        Notícias        Serviços        Educação      


Notícias



FIEAM discute futuro da energia elétrica na região norte
Por FIEAM,
sexta-feira, 6 de dezembro de 2019
 
 
 

FIEAM discute futuro da energia elétrica na região norte
Reunião com empresários na FIEAM. / Divulgação / FIEAM.

Os desafios futuros para o setor de energia no Brasil e na região Norte foram analisados ontem, 5, em reunião com empresários na Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), com a participação do diretor comercial da Comerc Energia, Fábio Delcielli Uzum, que detalhou a capacidade do setor de energia para atender a retomada do crescimento econômico e as tendências para fonte de energias renováveis como tendências inevitáveis para o futuro.

Da parcela total de garantia física disponível para o Sistema Interligado Nacional (SIN), em 2019, cerca de 15% estão localizadas no sub mercado norte. De acordo com os dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), o sub mercado possui 13GWm de garantia física. Desse valor, mais de 75% estão concentrados na fonte de geração hídrica. A menor participação é da fonte solar fotovoltaica de grande porte.

“Considerando a contribuição do Norte dentro desse crescimento, a gente percebe que a maior parte da geração e da garantia física na região é de fonte hidrelétrica, todas as usinas a fio de água. Quando chove, gera bastante, mas quando não, reduz a produção. Podemos perceber que ela não só sustenta grande parte desse consumo. Em alguns meses do ano, o Norte passa a ser exportador para o Nordeste, Sudeste e Sul. Então nos meses de chuva aqui chove tanto que supre a demanda interna e acaba exportando para o restante do Brasil”, relatou Uzum.

Na região Norte, a potência tem aumentado de forma expressiva para a fonte hidrelétrica e termelétrica. Segundo o diretor da Comerc, a energia eólica começou seu desenvolvimento em 2017 e, em 2019, possui 329MW de potência instalada. A solar de grande porte ainda tem baixa participação, com 5MW de potência.

“Avaliando a geração distribuída na região Norte, é possível notar um expressivo crescimento nos últimos cinco anos. Em 2019, as usinas fotovoltaicas para fins de micro e mini geração já alcançam 46,2MW de potência instalada”, contou ele. Ao explicar que a diminuição da participação de usinas hidrelétricas com reservatório é percebida pela redução do tempo que o sistema elétrico brasileiro pode ser atendido exclusivamente, considerando que estariam com seus reservatórios em capacidade máxima.

Em 2012, esses reservatórios poderiam atender a carga por, aproximadamente, seis meses, enquanto em 2018 essa capacidade reduziu para pouco mais de quatro meses. “O crescimento das fontes eólica e solar é uma tendência mundial, e parece ser um caminho natural também para o Brasil”, refletiu ele.

Para o presidente da FIEAM, Antonio Silva, o futuro elétrico brasileiro está em constantes mudanças, porém necessárias para que as indústrias fiquem atentas aos movimentos que não são nem de médio e longo prazo, mas permanentes. “Nos últimos 10 anos houve muitas mudanças e agora precisamos trazer à discussão sobre o que esperar do futuro, diante de uma série de transformações econômicas, como a reforma da previdência e tributária”, ressaltou Silva.

O cenário existente, de acordo com Uzum, permite um “colchão” confortável para suportar o crescimento do país nos próximos cinco anos. “Com um crescimento contínuo de 2,3%, por ano, a ideia é que os empreendimentos já contratados e os que vão entrar nos próximos quatro anos sejam suficientes para suportar o crescimento, então isso de certa forma é um conforto. Pode-se focar em produzir mais e continuar crescendo”, avaliou ele.

Caminhos para o Gás Natural

Outro caminho que parece estar mais presente na realidade brasileira, de acordo com o diretor comercial da Comerc Energia, são os empreendimentos termelétricos a gás natural. Essas usinas permitem o atendimento da carga instantânea, a preservação dos reservatórios de hidrelétricas e o aumento da participação das renováveis no sistema de forma segura. A queda do preço do Gás Natural Liquefeito (GNL), por conta da sobreoferta global, é um dos fatores que motivaram a expansão de termelétrica no Brasil nos últimos anos.

“No Norte há potencial para a exploração de gás natural, com destaque para o campo de Azulão, na bacia do Amazonas. Com o desenvolvimento do mercado e a entrada de novos ofertantes, o mercado livre de gás no Norte também pode se tornar uma realidade nos próximos anos”, apontou.

 

Publicidade


   
TURISMO
Agências de Turismo
Artesanato
Bibliotecas
Casas de Câmbio
Consulados
Ficha
Fotos
História
Hospedagem
Igrejas
Informações
Pontos Turísticos
Mapas
Municípios
Museus
Pescaria
Shoppings
Teatros
Zona Franca de Manaus

LAZER
Bares
Casas Noturnas
Eventos

GASTRONOMIA
Cafeterias
Café Regional
Churrascarias
Guloseimas
Lanchonetes
Pizzarias
Restaurantes
Sorveterias
SERVIÇOS
Caixas Eletrônicos 24h
Delegacias
Farmácias 24h
Hospitais
Notícias
Telefones Úteis
Táxi

EDUCAÇÃO
Infantil
Escolas Públicas
Escolas Particulares
Curso Superior
Curso Técnico
Siga nas redes sociais:
Twitter   Facebook   Instagram


No seu bolso:
Download na Apple Store

Download na Google Play

ManausOnline.com
Copyright © 1996-2021