Principal        Turismo        Lazer        Gastronomia        Notícias        Serviços        Educação      


Notícias


White Martins enviou mais de 1,7 milhão de metros cúbicos de oxigênio para o Amazonas



Por Inpresspni,
quinta-feira, 11 de março de 2021
 
 
 

White Martins enviou mais de 1,7 milhão de metros cúbicos de oxigênio para o Amazonas
Entrega de oxigênio para o Amazonas. / Divulgação / White Martins.

Empresa realizou uma das maiores forças-tarefas em seus 108 anos de história a partir de operações logísticas em parceria com autoridades, Forças Armadas e iniciativa privada.

A White Martins realizou nos meses de janeiro e fevereiro uma operação sem precedentes, em parceria com as autoridades governamentais, Forças Armadas e outras empresas, para manter o fornecimento de oxigênio ao Amazonas diante da situação de calamidade pública do estado e do crescimento do consumo abrupto e exponencial do produto. Mesmo com todos os desafios logísticos impostos pela região, a empresa transportou para Manaus 1,7 milhão de metros cúbicos de oxigênio, na forma líquida e gasosa, produzidos nas unidades da White Martins em outros estados brasileiros. Ao todo, 84 equipamentos criogênicos foram deslocados de outras regiões para atender a esta operação.

Durante a crise no sistema de saúde do Amazonas, por 30 dias, o consumo de oxigênio permaneceu acima de 60 mil metros cúbicos por dia, o dobro do consumo diário dos clientes da White Martins no pico da primeira onda da pandemia no estado. No dia 23 de janeiro, a companhia anunciou que atingiu um volume máximo de 80 mil metros cúbicos por dia como resultado de um esforço logístico inédito na história da empresa.

A maior parte do oxigênio enviado ao estado foi transportado por via fluvial: foram mais de 971 mil metros cúbicos, que seguiram por balsa até 16 de fevereiro. No mesmo mês, o Amazonas recebeu, via cabotagem, 14 isotanques da planta da White Martins localizada em Cabo de Santo Agostinho (PE), totalizando o envio de 212 mil metros cúbicos para o Amazonas.

A empresa transportou ainda - por meio de uma parceria com a Marinha do Brasil - a maior carga de oxigênio líquido por vias fluviais no país. O transporte de um grande isotanque teve início em janeiro, partindo da unidade da White Martins em Capuava (SP), por via rodoviária, passou pelo Porto de Santos, de onde seguiu a bordo do Navio Patrulha Oceânico P121 - Apa até o Porto de Belém (PA), onde o isotanque foi abastecido com oxigênio líquido e seguiu para Manaus. Essa operação transportou cerca de 80 mil metros cúbicos.

Com apoio da Força Aérea Brasileira (FAB), a empresa enviou - após superar desafios técnicos e realizar diversos testes - mais de 35 mil metros cúbicos de oxigênio por meio de isotanques na maior aeronave de carga da FAB, o KC-390. Já os voos partindo de Brasília levaram, até 26 de fevereiro, mais de 416 mil metros cúbicos de produto para o estado.

Os esforços para atender a demanda de oxigênio no Amazonas envolveram ainda a planta da Invegas, empresa do mesmo grupo da White Martins, localizada no Polo Petroquímico de José, na Venezuela. Após percorrer cerca de 4 mil quilômetros em duas viagens, a operação permitiu abastecer o mercado com cerca de 45 mil metros cúbicos de oxigênio. A empresa transportou ainda aproximadamente 2 mil cilindros de oxigênio, que contribuíram com um volume de 20 mil metros cúbicos para o abastecimento do Amazonas.

Além disso, a empresa ampliou sua capacidade de produção da planta T50 para 30 mil metros cúbicos por dia. Anteriormente à pandemia, esta unidade operava com 50% de sua capacidade, produzindo o suficiente para atender todos os seus clientes, que somavam um consumo na ordem de 10 a 15 mil metros cúbicos por dia. Ainda no que diz respeito à produção, a Anvisa concedeu uma autorização excepcional, emergencial e temporária para flexibilização dos percentuais de pureza do oxigênio medicinal em grau mínimo de 95% no dia 14 de janeiro, atendendo ao requerimento da empresa de forma ágil e com a devida prioridade ao tema.

A White Martins mobilizou também esforços - em parceria com a FAB e a Moto Honda - para reativar a planta T15 que permitiu um incremento na produção local de oxigênio de cerca de 6 mil metros cúbicos por dia. Esta unidade estava inoperante desde 2009, época em que foi construída uma nova planta no município (T50). Outra iniciativa emergencial e temporária foi a aquisição e a instalação de três miniusinas de oxigênio (PSA) nos hospitais Getúlio Vargas (mais 600 m3/dia), SPA Redenção (384 m3/dia) e 28 de agosto (2.400 m3/dia).

Com objetivo de garantir a segurança e a confiabilidade no fornecimento e uma maior autonomia de oxigênio medicinal no atendimento domiciliar a mais de 800 pacientes cadastrados, a empresa instalou 144 concentradores e 6 compressores de ar, que equivalem a um abastecimento diário de 2.350 metros cúbicos de oxigênio por dia.

Com a queda do consumo de oxigênio no estado, atualmente em cerca de 24 mil metros cúbicos por dia, a empresa já é capaz de atender toda a demanda com a produção local e a capacidade de estocagem de suas plantas localizadas em Manaus.

Esta operação de guerra foi resultado de um grande esforço coletivo. Por isso, a White Martins agradece o apoio de todos os seus funcionários e terceirizados que foram incansáveis para fornecer a maior quantidade possível de oxigênio para o estado do Amazonas, tanto os que se dispuseram a trocar temporariamente seu local de trabalho por Manaus quanto aqueles que atuaram em todo o Brasil nesta força-tarefa.

Também não seria possível realizar esta operação sem o apoio incondicional de diversas autoridades, dentre as quais destacamos as Forças Armadas, da sociedade civil e da iniciativa privada por meio de empresas como a Aço Verde do Brasil (AVB), siderúrgica localizada em Açailândia (MA), que se uniu à White Martins para doar 300 mil m3 de oxigênio para a Secretaria do Estado de Saúde do Amazonas.

No total, foram 15 carretas da White Martins abastecidas com o insumo produzido na planta da AVB e que seguiram para Manaus com o objetivo de salvar vidas no estado. A Atem Distribuidora, Assohonda, Companhia Docas do Pará, Ecorodovias, Essilor/Instituto Ver e Viver, JBS, Moto Honda, Petrobras, Samel e Transpipeline também mobilizaram esforços fundamentais para fornecer a maior quantidade possível de oxigênio ao Amazonas.

Em todo o país, a White Martins segue em contato constante com seus clientes das redes de saúde pública e privada, além das autoridades de saúde locais, para que sejam comunicadas formalmente e previamente as necessidades de acréscimo no fornecimento do produto, bem como a previsão da demanda. Isso porque compete às instituições de saúde, públicas e privadas, sinalizar qualquer incremento real ou potencial de volume de gases às empresas fornecedoras.

Estes estabelecimentos são responsáveis pela gestão da saúde e têm acesso a dados que compõem o panorama epidemiológico da COVID-19, como o índice e a velocidade de contágio da doença, o crescimento da taxa de ocupação de leitos, a abertura de novos leitos, a implantação de hospitais de campanha, a quantidade de pacientes atendidos, bem como a classificação dos casos. A White Martins - como qualquer fornecedora deste insumo - não tem condições de fazer qualquer prognóstico acerca da evolução abrupta ou exponencial da demanda. 

 

Publicidade


   
TURISMO
Agências de Turismo
Artesanato
Bibliotecas
Casas de Câmbio
Consulados
Ficha
Fotos
História
Hospedagem
Igrejas
Informações
Pontos Turísticos
Mapas
Municípios
Museus
Pescaria
Shoppings
Teatros
Zona Franca de Manaus

LAZER
Bares
Casas Noturnas
Eventos

GASTRONOMIA
Cafeterias
Café Regional
Churrascarias
Guloseimas
Lanchonetes
Pizzarias
Restaurantes
Sorveterias
SERVIÇOS
Caixas Eletrônicos 24h
Delegacias
Farmácias 24h
Hospitais
Notícias
Telefones Úteis
Táxi

EDUCAÇÃO
Infantil
Escolas Públicas
Escolas Particulares
Curso Superior
Curso Técnico
Siga nas redes sociais:
Twitter   Facebook   Instagram


No seu bolso:
Download na Apple Store

Download na Google Play

ManausOnline.com
Copyright © 1996-2022